Por efeitos colaterais, Johnson & Johnson condenada a pagar US$ 8 bi nos EUA

Nova York, 9 Out 2019 (AFP) - Um tribunal da Pensilvânia condenou nesta terça-feira (8) a multinacional Johnson & Johnson a pagar 8 bilhões de dólares em danos por não advertir que um remédio tinha como efeito colateral o inchaço no peito de homens, uma decisão que a empresa não acatou e anunciou que irá apelar.

A Johnson & Johnson e sua filial Janssen Pharmaceuticals foram processadas no Tribunal de Queixas Gerais da Filadélfia por Nicholas Murray, um paciente que afirmou que o Risperdal, um medicamento receitado para tratamento da esquizofrenia e trastorno bipolar, teria feito seu peito crescer.

A Johnson & Johnson reagiu com um comunicado no qual considerou que a soma é "extremamente desproporcional" em comparação à indenização inicial estabelecida em 680 mil dólares.

A multinacional garantiu que o tribunal violou os direitos da defesa, inclusive impedindo à Johnson & Johnson de apresentar "elementos-chave" na bula do Risperdal.

A J & J enfrenta uma série de ações nos tribunais estaduais americanos por não alertar adequadamente sobre esse efeito de Risperdal, principalmente na Pensilvânia, Califórnia e Missouri (centro).

O Risperdal, aprovado para o tratamento de adultos pela agência federal que regula medicamentos e alimentos (FDA) em 1993, gerou vendas de cerca de 737 milhões de dólares em 2018.

 

Veja mais no original em https://bit.ly/2MsPdMS